quarta-feira, 4 de abril de 2012

Dieta não é reeducação alimentar!

Hoje vou falar sobre um tema que me deixa muito intrigada na minha prática profissional: o fato de muitos pacientes acreditarem que “dieta” é sinônimo de “reeducação alimentar”.

Dieta é assumir que existem alimentos saudáveis e não saudáveis. Dieta é supervalorizar um alimento qualquer só porque ele “está na moda” ou está sendo mais falado pela mídia. Dieta é assumir que determinados alimentos são “milagrosos” ou têm “super poderes”. Dieta é achar que “doce engorda”, não importando a circunstância e a quantidade. Dieta é assumir que as nossas escolhas alimentares são puramente racionais, fruto somente do nosso conhecimento nutricional e do auto-controle que temos sobre nós próprios. Dieta é se convencer de que o valor nutricional dos alimentos é mais importante do que as vontades individuais e nossos gostos alimentares. Dieta é sentir culpa ao comer algo que alguém determinou que eu não deveria comer. Dieta é desrespeitar os sinais de fome, apetite e saciedade que o corpo envia. Dieta é desvalorizar o papel que o prazer em comer tem na promoção da saúde holísitca (física e mental) de um indivíduo. O conceito de dieta é efêmero, muda a cada estação. Dieta é desrespeitar sua individualidade e seu corpo.

Reeducação alimentar é assumir que não existem categorias distintas de alimentos, saudáveis e não saudáveis, mas entender que o que existe de fato é alimentação saudável. Reeducação alimentar é entender o papel biopsicossocial do alimento em nossa vida. Reeducação alimentar é saber que o que de fato engorda são exageros frequentes, que muitas vezes surgem porque restringimos nossa alimentação e não nos permitimos de fato comer o que gostamos e o que queremos. Reeducação alimentar é entender e respeitar os sinais nobres de fome, apetite e saciedade que o corpo manda. Reeducação alimentar é saber de fato quando estou com vontade de comer um doce ou quando quero comer o doce para obter um conforto emocional (e saber que posso fazer isso se quiser!). Reeducação alimentar é redescobrir o prazer em comer, não importando se é bolo de chocolate ou brócolis ao vapor. Reeducação alimentar requer esforço e auto-conhecimento. Reeducação alimentar é uma série de comportamentos e práticas que adquirimos para a vida toda.

Entenderam?!

Gosto muito de um texto da nutricionista americana Ellyn Satter, que define de forma ampla e bela o que uma alimentação saudável:

“Alimentar-se normalmente é ser capaz de comer quando você está com fome e continuar comendo até você ficar satisfeito. É ser capaz de escolher os alimentos que você gosta e comê-los até aproveitá-los suficientemente – e não simplesmente parar porque você acha que deveria. Alimentar-se normalmente é ser capaz de usar alguma restrição na seleção de alimentos para consumir os alimentos certos, mas sem ser tão restritivo a ponto de não comer os alimentos prazerosos. Alimentar-se normalmente é dar permissão a você mesma para comer às vezes porque você está feliz, triste ou chateado ou apenas porque é tão gostoso. É também deixar alguns biscoitos no prato porque você pode comer mais amanhã ou então comer mais agora porque eles têm um sabor maravilhoso quando estão frescos. Alimentar-se normalmente é comer em excesso às vezes e depois se sentir estufado e desconfortável. Também é comer a menos de vezes em quando, desejando ter comido mais. Alimentar-se normalmente é confiar que seu corpo conseguirá corrigir os errinhos da sua alimentação. Alimentar-se normalmente requer um pouco do seu tempo e atenção, mas também ocupa o lugar de apenas uma área importante, entre tantas, de sua vida. Resumindo, o “comer normalmente” é flexível e varia em resposta às nossas emoções, nossa agenda, nossa fome e nossa proximidade com o alimento.” (Satter, 1987)

Uma boa e prazerosa Páscoa a todos!

12 comentários:

  1. Carol, adoreeeeei o post!
    Estou tentando perder peso e penso dessa forma também. Nesses primeiros 15 dias estou tentando me controlar mais pra não cometer exageros mas não abro mão do prazer de comer! Promessas milagrosas e de curto prazo nunca funcionaram pra mim e pra ninguém!

    Estou com um blog de artesanato, vou colocar o seu nos meus preferidos!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá querida quanto tempo! Saudade!
      Vou passar lá e conferir, obrigada!
      Bjs!

      Excluir
    2. Olá querida quanto tempo! Saudade!
      Obrigada, passarei lá para conferir!
      Beijo!

      Excluir
  2. Carola, querida! Diria ainda que, na maioria das vezes, fazemos EDUCAÇÃO ALIMENTAR, já que em tantas vezes o sentido da alimentação nunca foi perdido, mas sim nunca existiu. Um beijo, belíssimo texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. BOA MA!!! Bem colocado!!!
      Beijos, e viva o pioneirismo!!

      Excluir
  3. Oi Carol!!

    Conincidência, ontem mesmo eu refleti sobre a diferença entre regime, dieta e reeducação alimentar!
    Refleti que a culpa por não estar na mais perfeita forma física traz enormes sensações ruins e desencadeiam mal estar físico REAIS, como ânsia e enjôo... Vira um ciclo vicioso tão ruim!! Emagrecer naturalmente pq estamos equilibrados emocionalmente é tudo de bom, mas depois perdemos o controle, voltamos a ganhar aqueles quilinhos que tinham ido embora e trouxeram tantos elogios e vem a culpa, suto-estima abalada.. Enfim, haja auto-conhecimento e auto-controle!! Saber compensar é ótimo e ter equilíbrio é melhor ainda! Adorei seu texto!

    Beijoos!

    ResponderExcluir
  4. Obrigada prima!! Gostei das suas colocações!

    ResponderExcluir
  5. Carol, achei genial o post!! Vou compartilhar na minha pagina no face!
    Parabens!!
    Beijao

    ResponderExcluir
  6. Ana Carolina, excelente artigo. Adorei!!! Vou compartilhar na minha página do facebook. http://www.facebook.com/pages/Mulher-Interrompida-adeus-bulimia/246165925493182

    ResponderExcluir